segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

VISITA DE NÚMERO 1000, OBRIGADO!

Tivemos exatamente hoje, dia 13/12/2011 a visita de número 1000. A imagem abaixo indica 1003, mas finja que estás vendo um 1000 ali, por favor rsrs
OBRIGADO!
=D

E O não GANHOU, não É?

E o não ganhou. Enfim vimos o fim dessa coletividade em que nos envolvíamos há dias e dias, talvez anos e anos aos que realmente lutaram para que o SIM ganhasse. Vimos a total imcompreensão por parte dos eleitores PARAENSES que se disseram absolutamente contrários à divisão. É amigo, 66% não é qualquer coisa não, é o número da besta também, só falta mais um '6'. 66%  foi um tapa na cara das sociedades de TAPAJÓS e CARAJÁS que só querem atenção. Ao contrário de que muitos expeculavam, Marabá saiu vitorioso sim! Enfim os tupiniquins aqui levantaram as mãos e disseram "-EI! NÓS EXISTIMOS! ESTAMOS AQUI DE OLHO EM VOCÊS!"
Talvez daqui há 10, 15, 20 anos os "eleitores" terão enfim conciência, e verão que o PRECISAR é bem maior do que o querer. QUERÍAMOS e PRECISAVAMOS, porém não PODÍAMOS, afinal a minoridade é bem mais conciente que a massa, o povão, que ainda é tido como índio aí pra fora, né? Os eleitores PARAENSES não deram uma lição de pacificidade neste plebiscito. Ao contrário, demonstramos que o sentimentalismo por parte da maioria dos índios lá  da população foi bem maior que a real clareza da objetividade de um voto.
Enfim, perdemos, mas levantamos a mão e exclamamos; Nós estamos aqui, prestes a lutar mais uma vez.

by: Nailson Alves revoltado

sábado, 10 de dezembro de 2011

E AÍ, QUEM VAI GANHAR MESMO?

Façam suas apostas e rezem, rezem muito para que o impossível aconteça.
Ah, e não se esqueçam de irem à força praticar a cidadania votando.




De acordo com o Datafolha, 65% dos entrevistados se disseram contrários ao desmembramento do Pará para a criação do estado de Carajás, e 64%, contrários à divisão para a criação de Tapajós, em pesquisa feita de terça (6) a quinta (8), com 1.213 eleitores em 53 cidades paraenses. A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos.
Na comparação com os levantamentos anteriores, divulgados respectivamente em 11 e 25 de novembro, a frente contra Carajás oscilou de 58% para 62% e agora registrou 65%, enquanto o "sim" foi de 33% para 31% e agora manteve os 31%. Indecisos eram 8%, passaram para 7% e agora são 4%.
No caso de Tapajós, o índice dos contrários à criação oscilou de 58% para 61% e agora está com 64%; a fatia do "sim" foi de 33% para 30% e agora está com 32%. Indecisos eram 10%, passaram para 9% e agora são 4%.
O infográfico abaixo foi retirado do portal G1

by: Nailson Alves

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

CONCURSO CULTURAL "NATAL DA CULTURA"


Escreva uma frase contendo as palavras: 'festa', 'natal' e 'cultura'
o autor da melhor frase ganhará o best-seller "À PROCURA DA FELICIDADE"
o segundo e terceiro lugares ganharão cartões de natal.
Teste já a sua criatividade e concorra a esse super-presente!
Quintais de Cultura - a cultura marabaense aos seus dedos.

Descanse em paz.


quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Comentaê (PARTE 2)


"Natal é a data mais triste pra mim", diz Inri Cristo

...

É claro. Como o aniversário cai na mesma data, ele só ganha um presente.

Comentaê (PARTE 1)

Faça um comentário sobre a imagem acima...

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

A Arquitetura Marabaense

A arquitetura marabaense sempre foi objeto de discussão de estudantes principalmente no 5 de Abril. Do Pontal ao Trevo, da Santa Rosa ao Cabelo Seco, as características marcantes são triviais para a identificação dessa nossa marca inigualável. Para falarmos da Arquitetura Marabaense, estaremos falando principalmente da rua 5 de Abril, antigo logradouro em que as principais e mais famosas famílias de tradição em Marabá residiam. A igreja de São Félix, o suntuoso Antigo Mercado Municipal, a mansão de Alzira Mutran, traços inabaláveis em que o tempo nem as inovações da globalização conseguiram alterar. As formas de traço europeu e a tradição paraense, foram sem dúvida, os principais alicerces para a identificação dessa nossa riqueza.
Para detalharmos as características e as principais evoluções desta, vamos às imagens:

Esta imagem foi tirada durante a grande enchente de 1980. Percebemos no centro da foto o busto em homenagem ao fundador de Marabá, Francisco coelho, que deu origem ao nome do bairro e também à praça. À esquerda, as casas ainda eram feitas de taipa (barro) e cobertas por palhas, retiradas nativamente da região,dando um traço característico à cultura paraense. Ainda à esquerda, vemos um cercado de madeira demarcando um quintal, o maior traço e ainda presente em todas as casas da Velha Marabá.


Aqui, o bairro Francisco Coelho atualmente. As roupas no varal ainda predominam e não deixam morrer a nossa forte cultura. No bairro ainda encontram-se presentes casas de madeira, o mesmo é vítima da falta de saneamento e planejamento de habitação, fazendo com que muitas crianças adoeçam das mais comuns doenças de países subdesenvolvidos.



Outro traço bastante marcante na arquitetura marabaense, são as casas coladas. Da briga pelo terreno à cultura, as explicações são muitas, porém elas ainda continuam persistentes, mantendo a cultura. Nota-se que em nenhum outro bairro de Marabá as casas são assim, durante as novas ocupações em novas localidades, essas características se perderam, as casas ganharam espaços laterais, garagem e área de entrada.



Durante o processo de urbanização na gestão do ex-prefeito Tião Miranda, o a Velha Marabá foi agraciada com a Orla Sebastião Miranda, tornando a área uma das mais valorizadas de Marabá. Na imagem abaixo, a orla em processo de finalização, vítima das "licitações".




Finalizando o nosso post, a mais nova obra de revitalização e urbanização na Velha Marabá, as obras do PAC, que segundo os moradores e as mídias locais, estão paralisadas há mais de um ano!







By: Nailson Alves

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Desmatamento na Amazônia aumenta em setembro

A Amazônia perdeu uma área de 253,8 quilômetros quadrados (km²) de floresta em setembro, segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Em relação ao mesmo mês do ano passado, quando foram registrados 448 km² de desmate, houve queda de 43%. Na comparação com o mês de agosto, entretanto, quando foram contabilizados 164 km² de derrubadas, houve aumento da área desmatada.

O estado onde foram registrados mais desmatamentos, em setembro, foi Mato Grosso, com 110 km². Em seguida está o estado de Rondônia, com 49,88 km² e em terceiro, o Pará, com 46,94 km². O estado onde houve o menor registro de desmatamento foi Tocantins, com 2,24 km². No estado do Amapá não foi detectado desmate.      

Segundo o Inpe, apenas 5% da região não foram monitoradas por causa das nuvens.

Fazem parte da região da Amazônia Legal os estados do Acre, Amapá, Amazonas, de Mato Grosso, do Pará, de Rondônia, Roraima e do Tocantins, além de parte do estado do Maranhão.

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Tema da redação do Enem é redes sociais; jornal divulga antes




Estudantes chegaram cedo para o segundo dia de provas em Florianópolis (SC). Foto: Fabricio Escandiuzzi /Especial para Terra
Estudantes chegaram cedo para o segundo dia de provas em Florianópolis (SC)
Foto: Fabricio Escandiuzzi /Especial para Terra
O tema da redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2011 foi "Viver em rede no século XXI: os limites entre o público e o privado". Os textos de apoio indicavam aos candidatos que ele deveriam escrever sobre as redes sociais como Twitter e Facebook e como as pessoas se relacionam nesta plataforma. A informação foi divulgada pelo jornal O Globo às 14h - uma hora antes do horário em que é permitido que os estudantes deixem o local de provas. O Ministério da Educação (MEC) informou que ainda não sabe como o jornal teve acesso a essa informação e investiga o ocorrido.
Hoje os candidatos respondem a 90 questões de linguagens e matemática, além da redação. A prova termina às 18h30.
Recorde de inscritos 
Mais de 5 milhões de candidatos se inscreveram para participar da maior edição do Enem desde a sua criação, em 1998. No sábado, primeiro dia do exame, os candidatos responderam a questões de Ciências Humanas e da Natureza. De acordo com o MEC, o primeiro dia registrou uma abstenção nacional média de 25,29%. Neste domingo, as provas são de Matemática e Língua Portuguesa, além da redação.
A partir do resultado da prova do Enem, os alunos se inscrevem no Sistema de Seleção Unificada (Sisu) e podem pleitear vagas em instituições públicas de todo o País. A participação no Enem também é pré-requisito para os estudantes interessados em uma bolsa do Programa Universidade para Todos (ProUni). Os benefícios são distribuídos a partir do desempenho do candidato no exame e podem ser integrais ou parciais, dependendo da renda da família. Para participar do programa é preciso ter cursado todo o Ensino Médio na rede pública.
Em 2012 a prova terá duas edições, uma no primeiro semestre e outra no segundo. A primeira edição do ano que vem já está confirmada para os dias 28 e 29 de abril. A data da segunda edição ainda não foi definida em função das eleições municipais, que ocorrerão em outubro, mês de aplicação do Enem 2011.
Correção online
O Terra, com os professores do Sistema COC de Ensino, fará a correção online das provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), que serão aplicadas em 1.599 municípios brasileiros. A correção poderá ser acompanhada, questão por questão, pela internet.

domingo, 16 de outubro de 2011

Círio de Nazaré Marabá: A festa da Fé


É hoje a festa da fé em Marabá. Pela 30ª vez, os devotos de Nossa Senhora de Nazaré do município e região homenageiam a Virgem com uma caminhada de fé que segue da Catedral de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, no núcleo da Marabá Pioneira, até o Santuário de Nossa Senhora de Nazaré, na Nova Marabá. São 7,5 quilômetros, num percurso marcado por muitas demonstrações de devoção à Santa, considerada a padroeira dos paraenses. 

A última edição do Círio de Nazaré em Marabá teve a participação de cerca de 100 mil devotos. A expectativa dos organizadores é de que esse ano a participação aumente consideravelmente, já que pela primeira vez a imagem peregrina esteve visitando outros três municípios da região de Marabá: Abel Figueiredo, Itupiranga e Bom Jesus do Tocantins.

O padre Ademir Gramelik, pároco do Santuário de Nossa Senhora, diz que ao longo de três décadas muitas mudanças ocorreram na romaria. Era um traslado mais tímido, com poucas pessoas. Hoje, reúne milhares de devotos. O trajeto era bem menor e hoje chega aos seus 7,5 quilômetros, passando pelas principais vias de Marabá, incluindo a Transamazônica. Festa tamanha que fez com que o círio local fosse considerado patrimônio cultural imaterial do Estado, em decreto pubicado no início do ano no Diário Oficial do Estado.

PEREGRINAÇÃO

A bonita homenagem começou com o trabalho de uma freira, Maria das Neves, que levou uma imagem de Nossa Senhora de Nazaré de Belém e decidiu peregrinar com a santinha pelas casas de Marabá. Depois, um grupo de pessoas se uniu à freira e começou a promover a procissão, que tinha apenas um quilômetro de percurso”. No início, não havia nem corda e nem mesmo a berlinda. O que se fazia era enfeitar uma lata de tinta para abrigar a imagem. E no trajeto a Santa ia passando pelas mãos dos devotos”, relembra o padre.

Um dos elementos incorporados ao Círio, a corda dos promesseiros, tem 450 metros de extensão e pesa em torno de 260 quilos. Para o próximo ano, o padre diz que a previsão é que a corda aumente de tamanho devido à quantidade de fiéis.

Marabá tomada pela força dos devotos

Para alguns devotos, acompanhar a procissão não é o bastante para expressar a gratidão a Nossa Senhora de Nazaré. Assim, alguns se propõem a um verdadeiro sacrifício, como fazer o percurso do Círio de joelhos ou carregando objetos muito pesados na cabeça. Segundo o padre Ademir Gramelick, os fiéis são livres para ter sua intimidade com Deus e outras entidades religiosas, mas alerta que não adianta fazer uma promessa para cumprir no dia do Círo e não ter uma vida convertida aos olhos da Igreja. “A igreja não proíbe a promessa nem o cumprimento delas, desde que não fira a dignidade da pessoa humana. Em alguns casos, pode até ser bonito e emocionante o pagamento de determinadas promessas, mas, por outro lado, não adianta fazer tal compromisso e não ter uma vida sacerdotal, de forma que para Deus vale mais uma vida correta do que um momento de sacrifício”, observa. 

OUTRAS ROMARIAS

Desde o dia 20 de setembro, a imagem peregrina de Nossa Senhora de Nazaré começou a visitar os devotos em várias comunidades e paróquias de Marabá, além de municípios vizinhos. Começava assim a 30ª edição da festa de Nossa Senhora, que terá seu ponto máximo hoje, com a grande procissão, que sairá às 7h da Catedral de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, na Marabá Pioneira, até o Santuário, na Nova Marabá.

Ontem, os fiéis participaram da romaria rodoviária, quando a imagem de Nossa Senhora saiu da paróquia São Francisco, no núcleo Cidade Nova, com destino ao Santuário de Nossa Senhora de Nazaré. De lá, a procissão prosseguiu até o porto da Mangueira, de onde sai o Círio Fluvial. No início da noite, a imagem chegou à orla do rio Tocantins, na Marabá Pioneira, de onde os fiéis saíram na Trasladação até a catedral Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, onde a Santa foi recebida com muita emoção. Durante a celebração, houve a troca do manto. A cantora Joanna encerrou a programação do sábado. Joanna, convidada especial da coordenação este ano, deve cantar hoje na chegada da imagem ao Santuário de Nossa Senhora de Nazaré.

by: Naylson Alves

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

DOSSIÊ CABELO SECO: PONTOS DO CRIME


Há tempos sabemos que a violência predomina cada ponto de Marabá e região. Em Marabá, a violência só aumenta a cada dia que passa, e sabemos que ações têm que ser feitas para solucionar este triste caso. As autoridades nos dizem que tudo o que está ao seu alcance já está sendo feito, porém nada muda neste cenário. Resolvi então divulgar cada detalhe para que assim a justiça social seja feita, para que pessoas de alto nível ético e moral olhem para si mesmo e pergunte-se: Eu estou ajudando a minha comunidade?



O Bairro

Francisco Coelho, vulgo "Cabelo Seco", é o berço de nossa cidade. Construída a partir de uma vila, ela transformou-se e hoje temos uma vasta e rica cultura nesta pequena região deixadas por nossos antigos e ainda presentes 'parentes'. A miscigenação, os costumes, tudo isso se confunde com a nova identidade que pessoas de outros lugares do país chegam e implantam. O que deixo aqui, não é uma manifestação de xenofobia, que isso fique bem claro. Estamos sempre em transformação, e por isso o desenvolvimento, está sem dúvida "batendo de frente" com a nossa herança. Assim, com o "novo" chegando, a violência chega também e em forte escala. Passados de velhos costumes, a criminalidade aumentou e a modernidade desta também. Drogas e um forte arsenal, os 'bandidos' foram implementando esses novos artificíos ao que hoje conhecemos, e muito bem, a violência.

O bairro Francisco Coelho tem dois importantes complexos, o "Cabelo Seco" e a "Barão", ambos dominados pelo crime. Até 2000, esses dois complexos não tinham nenhum tipo de rivalidade, porém, com o começo de uma pequena rixa entre 'certas pessoas', as intrigas começaram, dando um pontapé ao conflito. Os anos passaram e a rixa continuou e expandiu-se, os moradores deixaram de sentir-se seguros em suas próprias casas. Usaremos um termo para designar os bandidos para a fácil interpretação do texto, que será: CARAS. No início da 'revolta' os caras do bairro Belo Horizonte iniciaram uma rixa com os caras da Barão, não citarei nomes nem motivos. Logo após, os caras do cabelo seco aliaram-se aos caras do Belo Horizonte (BH). Após a aliança, os caras da Barão sentiram-se fragilizados e então aliaram-se aos caras do Bairro Santa Rosa. Os tempos passaram e os conflitos também, Santa Rosa deixou a aliança com a Barão, Cabelo Seco ainda é rival da Barão e o BH acabou. Já estamos com o que conhecemos hoje, uma Barão completamente arrasada pela falta de segurança, um Cabelo Seco completamente sem cultura, um bairro desmontado.
Á seguir o Bairro Francisco Coelho e seus dois complexos.

Francisco Coelho, de acordo com dados geográficos, área localizada do Estádio Zinho Oliveira até o "Pontal".



Barão, área situada entre a Travessa São Miguel, a Rua Barão do Rio Branco, a Travessa Quinze de Novembro e a Rua Benjamin Constant, sendo que é reconhecido somente pelo nome de uma destas.

Cabelo Seco, localizado da Travessa Quinze de Novembro até o "Pontal".

by: Anônimo, por motivos de segurança.

PARCERIAS

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Affiliate Network Reviews